quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

sábado, 12 de novembro de 2011

Listando

Leonid Afremov
Você bem que poderia me tirar da sua lista de obrigações e me incluir na lista de necessidades!
Mas pensando bem, tudo depende de que ordem as coisas tomam na sua lista de prioridades...

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Hey!

Você é tão único!
Tem mais iguais a você espalhados por São Paulo? Porque aqui não tem ninguém que sequer se pareça. Não tem nada demais? Para mim tem!
Eu gosto de ver graça nas coisas que não são nada demais, porque as graças que estão na cara não são nada demais...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Bicho

"Amor é bicho instruído
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã."
(O Amor Bate na Aorta - Carlos Drummond de Andrade)

Parabéns ao poeta!

domingo, 30 de outubro de 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Frações

Que não haja necessidade de ser metade,
que seja feliz, sendo terço,
que não despreze as frações
que te faz inteiro.

"Enquanto for, um terço meu. Serás vida, bem vinda. Serás viva, bem viva. Em mim."

domingo, 2 de outubro de 2011

Eu Acredito!


"Não ter pressa da impressão de que a tarde virou tédio..."
Mas o clima é de ressaca, tarde parada de domingo. Tudo faz parecer que os últimos dias - totalmente atarantados - não passaram de um sonho longo. E lindo!
É claro que insonia não é sinal de sonho, mas é uma tentativa subconsciente de querer que "O Dia" chegue e depois de não querer que ele passe. Acabei dormindo só depois de ver que era dia e sonho ao mesmo tempo...
Era a nossa Terra do Nunca particular, lá tem piratas e índios e sereias... E fadas existem!
Foram meses brincando de ser Peter Pan, mas lá no fundo brincávamos de ser nós mesmos. Aprendemos a voar, a lutar, o que mais podemos querer? Há tanta coisa mais... mas pode esperar até que a gente cresça!

Foi assim que o Theatro Avenida em Pinhal, numa noite linda de sábado e estréia era a "segunda estrela a direita, segue em frente até o dia amanhecer".
Foi o dia mais mágico e maravilhoso da minha vida: a orquestra - admirável, os atores, o corpo coreográfico, os cenários, os figurinos, as espadas e livros sumindo, os corações simples e disparados, os aplausos em pé e as lágrimas prestes a romper dos olhos...
"Eu quero mesmo é ser criança para sempre!"

Ficha Técnica:
- Direção Artística e Regência: Eduardo Martins
- Compositor e Direção Musical: Paulo Rafael Rinco Lino
- Cenografia: Reinaldo Rodrigues da Silva
- Coreografia:  Adriana Françoso
- Figurino: Rebecca Monteiro
- Iluminação: Anderson Cristino
- Acessor de Comunicação: Flávio Hussar

P.S.: Obrigada a todos que estiveram presente lotando as duas sessões e participando com a gente. Obrigada a quem esteve presente de mente e coração também!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Exceção




"O coração instável é a única constante nesse mundo." (O Castelo Animado)

Acabei de ver o filme "O Castelo Animado" na companhia de um fabuloso amigo. Super recomendo essa dose linda de encantamento. O problema é que agora quero ler o livro, de mesmo nome da autora Diana Wynne Jones, no qual o filme foi inspirado.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Das Coisas Que Nunca Crescem

Ela adora brincar de ser criança, foi colher amora...
- Vou contar pro seu pai que cê namora!
Tem dedos sujos de roxo. Ah, não!
- Pra mim, anão é um homenzinho pequenininho!

Mas as estrelas estão ao alcance do salto?
Toda borboleta é fada e toda nuvem algodão?
Se pés correm sujos no asfalto,
Então a noite tem bicho-papão?

Ela faz de pirraça, colocar o dedo na tomada
- Menina! Quer levar palmada?
Chora. Mas casar, sara todo o machucado...
- E por que não o resfriado?

Por que não descalço na chuva?
Por que todo inverno tem luva?
Tenho mesmo que comer legume?..
Mas onde fica a pilha do vaga-lume?

E só para lembrar:
Quando essa frente fria passar
e chegar a primavera
ela ainda será o vento te convidando na janela...

sábado, 10 de setembro de 2011

If You Want a Name

Honestly, I don't know the name of it.
I'd love to know.

Then you feel something
You don't have reason to feel it.
Even because you can't get it
You won't talk about,
You won't think, or dream about.
You'll never know

But if you really want a name
The name can be "silliness",
or even... "love"!

Para Rafael B.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Estreando um Sonho

Esses últimos dias foram do tipo surreal, apesar do ar pesado e quase visível, nada faria com que eles perdessem a leveza dos sonhos e as cores do real. E sonhos têm que ser assim mesmo: pintados, musicados, poéticos, circenses.
Sabe aquela ansiedade de quando se dorme querendo sonhar e com nenhuma pressa de acordar? A ansiedade d'alma com borboletas não só no estomago mas no corpo todo?
Por: Renata
"Parecia que me via com teus olhos de apetite!
Parecia que sorria quando a festa demorava!
Merecia uma prece pra ninguém nunca esquecer!
Então sentei-me em tua frente pra logo nos perceber..."

Perceber que eramos verdade, eramos no show do Teatro Mágico! E era nada menos - porque não dá pra ser mais - do que a estréia do novo CD "A Sociedade do Espetáculo". E estréia do nosso sonho na linda cidade de Ribeirão Preto em pleno dia 7 de setembro.

Site Oficial / My Space

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Abismo

Aquarela sobre Canson
Essas palavras suspensas no ar,
são como estrelas penduradas no céu.
Sempre à beira do abismo,
mas nunca despencam...

domingo, 28 de agosto de 2011

Uns Versos

Escrevo uns versos pra você,
na verdade fico sem graça de dizer...
Melhor parar por aqui
porque na verdade eu queria estar aí!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A Lua Dessa Rua

Sabe? Os pés no chão já são crescidos.
Mas para mim, todo pé descalço é de criança,
despreocupado e encardido.

Sabe? Esses olhos fixos lá no céu já foram mais meninos.
Mas pra mim, todo olho que olha pro céu é meio lua
e toda criança feliz é meio rua...

Sabe? É que crescer me desabitua.
Mas prometo me apaixonar por você
se o coelho da lua for por causa tua...


Fotografia: Sillas H.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Você Chama o Amor Pelos Nossos Nomes II

Não sei de onde tirei que os melhores momentos de inspiração são nas madrugadas, aqueles minutinhos ou horas antes de dormir. Mas não quero ir pra cama, talvez tentativa subconsciente de evitar um amanhã.
Sei que não é nada sábio dizer que os dias passados foram melhores, mas sinto falta de nós, de tudo o que fomos e do que não fomos também... Se eu pudesse chorar todas aquelas lágrimas de novo, só pra ouvir seus sábios conselhos outra vez, se eu pudesse fazer todas as burradas de novo só pra você dizer "Eu te avisei!".
Saudade de quando nos bastávamos, só nós e nosso mundo, discutindo política e filosofia, identidade e relacionamentos. Foi nesse tempo que aprendemos a nos amar, e nos amar muito! Por isso agora você chama o amor pelos nossos nomes...
Sabe aquelas manhãs todas de vento frio e sol quente? Foram as mais completas da minha vida, não tínhamos nada pra ser feliz, não precisávamos fazer nada pra ser feliz. A felicidade chamava por nossos nomes...
16 de Maio de 2011, às 1:43

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

No Céu II

As estrelas sempre falam sobre segredos, basta saber ouvir...
Na última manhã algumas marias me contaram, o dia estava chegando.
E sabe o que mais?
Que debaixo do céu o melhor lugar se chama "lar".

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Consequência

É que eu tenho para mim que ser feliz é consequência.
Porque quando a gente faz alguém feliz,
nos fazemos felizes.

Dedicado à Rafael Batista

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Bocejo

Eu te digo que isso tudo não passa de um tempo,
de um tempo que não passa...

Bolha


- Sou teu amigo, não tenha medo!
                                          (Ponyo à Beira Mar)
Dedicado a Renata

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Porque

Se eu te disser...
E se eu te disser sim? Promete que deixa o futuro longe de nós? Promete que deixa a felicidade por conta das flores? Me promete um campo de trigo ou de algodão. Branco...
Rola comigo pela grama ou pelas estrelas e fiquemos aqui, que é mais cômodo.
Me inspira e expira na minha boca o essencial para a sua.
Me faz acreditar que agora é para sempre, que aqui sim, tem todas as cores e que não preciso viver mais nenhum dia para me ser o suficiente.
Então me ajuda? Eu preciso mais do que pinceladas para supor coisas. Me pinta de vida!
Não pense que sou perfeita nem sequer me diga quem eu sou.
Gosto assim, porque sou pequena e crescer ocupa espaço demais.
Gosto assim, porque a alma nunca ocupa espaço de menos.
Gosto assim, porque não há espaço para definições...
Me deixa saber que não preciso fazer pedidos às estrelas, porque na verdade não preciso de mais nada.
Me deixa saber que tudo é completo, porque no fundo sempre teremos espaço para mais de nós.
Me deixa saber que é lua, porque muda mas sempre é nova.
Me deixa saber que é luz, porque enxergo ainda que meio apagada.
Só não me deixa saber que nostalgia não passa de felicidade desbotada...

quarta-feira, 13 de julho de 2011

quinta-feira, 7 de julho de 2011

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Estação


O rapaz, no banco da praça
escreve seu apreço.
Espera na estação e na vidraça
vê o mundo do avesso.

Num trem passa o universo
no inverno, o inverso.
Até que passa a moça do seu verso.



sexta-feira, 17 de junho de 2011

Ótica

Não me peça para te olhar com outros olhos, porque esses são meus e não tenho outros...

domingo, 12 de junho de 2011

Pintando Rosas Brancas de Vermelho

E se eu disser que não dou a mínima?
Nosso castelo de cartas caiu e achei obra divina.
Você cresceu tanto
que agora não passa de uma peça no canto.
Para mim
você era todo o jardim,
agora sei que nem rosa mal pintada,
você é só praga descarada!
"Cortem a cabeça!"
não é mais necessário para que eu te esqueça...


Lendo as duas histórias de "Alice", L. Carroll e me inspirando

terça-feira, 7 de junho de 2011

Ventania

Ventania tirou tudo do lugar
tristeza e alegria, me deu caminho novo para andar.
Sonhos claros, tijolos amarelos. Caminhar, caminhar,
saudade e desejo belo: Querer voltar,
bater os calcanhares e acordar.

"Somos só crianças crescidas, querida,
Inquietas, até que o sono nos dê guarida.
(...)
As palavras mágicas vão logo te tomar:
Não darás ouvido ao vento a uivar."
(Lewis Carroll - Alice)

domingo, 5 de junho de 2011

Nem Sábado, Nem Domingo

Sabe que não é a primeira vez que tento escrever algo para você (sem contar a carta, é claro!), mas tudo bem, porque quero algo a altura, que fale de sua importância maior que a distância que me leva até você.
Estou ouvindo a música que me deu de presente amarrada com filas de fitas cor de saudade, laços. Ouço sempre para voltar ao maio do ano anterior. Ouço incontáveis e seguidas vezes. Ela me faz tão feliz quanto você. Foi o melhor presente que poderiam me dar e você ainda tem coragem de dizer "não te dei essa música, você me deu ela"...
Esse seu ar de mocinho de cinema alternativo, de quem faz coisas que só se vê em ficção - desenhar pessoas desconhecidas em ônibus? morar na capital onde dorme meu sonho? gostar de artes? ser maravilhoso para mim, sendo que nos vimos uma única vez?
Saiba que você não é o monstrinho de que tanto fala, não use mais a palavra decepção (coração cansado dela). Ninguém é tão bom, mas você é bom o bastante.
Fico imaginando se te tivesse aqui pertinho, nunca teria espaço para ser triste, você sempre salva minhas noites ruins. Me arranca sorrisos com os seus sorrisos e eu adoro seu cabelo!
As melhores noites de nem-sábado-nem-domingo são aquelas em que comemos pipoca e pizza juntos, você toca para mim, eu te mostro meus desenhos e lápis-de-cor, falamos de música e de viver no interior ou na capital. Quem liga para os duzentos quilômetros chatos e importunos sentados entre nós?
Gosto mesmo é da sua presença, de quem você é, de quando a fila era espera, de quando te encontro na janela...

"O distante será meu vizinho e o tempo será a hora que eu quiser." (OTM)

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Em Guardanapos

Nunca escrevi nada endereçado ao nome teu.
Mas se agora escrevo é para dizer
que sempre procuro nos seus versos o nome meu.

Uma Alma, Dois Corpos


Estava pensando que nem tudo é como a gente quer, em desenrolar uma série de bobeiras pessimistas, dramatizar e fazer esse vazio parecer mais bonito com palavras cheias. Mas sabe, pensei no seu sorriso bem na hora, em como você por si só - mesmo com cara séria - transborda felicidade e no quanto eu te amo.
Sinto tanto a sua falta! É lógico que nem tudo é ausência, mas me assusta pensar que talvez tomemos caminhos diferentes, porque sempre que imagino meu futuro te vejo nele. Você é um pedaço meu, é minha alma no corpo seu. É quem mais me entende em todo o mundo.
Hoje eu quis sair por aí, ver o verde, olhar para o céu azul, imaginar as coisas mais absurdas nas nuvens, e quis, acima de tudo, sua companhia, linda e cheia de energia. Saudade daquele jeito só nosso de aproveitar as tardes, sentar na grama para tirar fotos e tomar uma xícara de chá quente, sentir o vento gelado cortar o rosto ao andar de bicicleta, saber que ainda sou completa.
Pensei em milhões de coisas para não tornar isso clichê, mas que se dane! Você é realmente muito, muito, muito importante para mim. O som da sua voz é o que mais acalma, seu abraço é o que mais conforta, sua gargalhada é aquela que faz espinha e coração serem felizes. Você é o tipo de pessoa que faz bem, que faz o mundo ser quase perfeito. 
Porque andorinhas têm asas, mas também têm pés. Nem tudo é alcançar o mar, as vezes o prazer é pisar na terra. São nós e laços aos quais nos deixamos atar. 
E o nome disso só pode ser amor. Mas há quem chame de amigo...

"O que é um amigo? Uma única alma habitando dois corpos."
(Aristóteles)

terça-feira, 31 de maio de 2011

Ter Você

Fotografia: Sillas H.
A casa já tem seu cheiro; o sofá, o travesseiro, os filmes da TV, minhas mãos.
As coisas já têm seu gosto; o leite quente ou a pipoca, a maionese caseira e todos os cantos da cozinha.
As noites de domingo têm sua companhia; o colchão, o sono, as palavras não ditas e minha solidão.
Eu já te tenho de cor; sua barba e seu cabelo, seus lábios e pernas.
Foi você quem preencheu o vazio deixado por outros, a casa tem ares de felicidade de novo. E agora é sem ausências. Quando você for embora para voltar amanhã ou semana que vem (e você vai voltar), sem problemas, tudo e eu já temos você.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Impossibilidade nº 1

Talvez eu só precise desabafar, inventar uma história sobre alguém que deveria ser eu, sonhando com uma pessoa que provavelmente é você. Na minha lista de impossibilidades creio que você seja o primeiro item e é exatamente por isso que é o que eu mais quero. Deve ser um tipo de dom - ou maldição - acreditar tanto assim no improvável.
Você me deixa confusa, me faz ter toda certeza de que é meu maior amor, para na próxima semana ser a ausência que me sufoca e me faz perder o ar, verter lágrimas e me sentir tão sozinha.
Fico procurando companhias em todo canto, em uma porção de telefonemas, em esperas intermináveis, e quando acho alguém - pouco importa - esse alguém nem é você. Para isso dei o nome de inconformismo, não achei um que pudesse ser melhor. Se é que existe um nome.
Ouvindo uma voz que não é a sua, sentindo o cheiro que não é seu, o toque que eu queria muito que fosse teu... Esqueço tudo, fica menor o mundo.
É bom exagerar as vezes, fazer novelas e dramas, porque lá no fundo é tudo assim mesmo: bem grande, bem perturbador e angustiante. O que eu deixo transparecer é só o suficiente para que eu pense que estão com pena, sendo que sei que o meu papel é o de boba. E como me sinto idiota! Só que aí já exagerei.
Teria tantas outras mil coisas para falar mas, tudo é tão desconexo, nem sei se torço pelo certo. Você me põe em dúvida. Talvez se me tratasse um pouco melhor ou um pouco pior. Não gosto de como as coisas ficam no ar, nem de como elas caem em terra.
Troco os pontos finais por vírgulas para ter uma desculpa e continuar falando sobre você. Jogo palavras e confusão em um papel como maneira de direcionar um sentir, e já nem sei o que guardo para você. Já nem sei quem é você... ou nunca soube.

"Os anjos ainda são brilhantes, embora o mais brilhante dentre eles tenha caído."
(William Shakespeare)

quarta-feira, 25 de maio de 2011

sábado, 21 de maio de 2011

Enormemente Vazio

São mais de seis bilhões, novecentas e trinta e seis milhões de pessoas e cerca de cento e noventa e dois países, isso em todo esse planeta onde penso que vivo. Então por que será que em meio tanta gente me sinto tão sozinha? E com tantos lugares, por que nenhum é o meu?

"E ninguém é eu, e ninguém é você. Esta é a solidão."
"Por enquanto estou inventando a tua presença..."
(Clarice Lispector)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Nuvens e Mar

Se me chama de anjo, para você serei todo o céu.
Se no meio de tantas estrelas eu te encontrei é porque já devia te conhecer de um sonho, daqueles que a gente sonha depois de adormecer olhando para lua. E se sonho por tanto tempo deve ter algum outro motivo bem bom.
Te ver é como um dia de sol, me faz querer viver, imaginar, amar.
Penso que as borboletas que moram no meu estômago gostam tanto de ti quanto eu,
penso que meu sorriso adora ver o seu,
penso... são mil quatrocentos e quarenta minutos todos os dias dos meus dedos querendo te tocar
E se estamos tão longe quanto as nuvens do mar, basta esperar os dias de chuva...

terça-feira, 17 de maio de 2011

Você Chama o Amor Pelos Nossos Nomes

Gosto de acreditar que nós existimos, porque enquanto eu acreditar nós vamos existir.
Gosto de pensar que o amor nunca acaba, então seremos eternos...

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Que Subentendam

Arrumo qualquer desculpa para falar seu nome,
e se alguém me pergunta, gosto de negar em voz alta
o que já assumi para mim mesma
naquele cantinho mais secreto do coração...

sexta-feira, 6 de maio de 2011

quinta-feira, 5 de maio de 2011

sábado, 30 de abril de 2011

Da Cor Do Vento

Hoje quando pisei nessa cidade, quando deslizei suave pelo asfalto, o urbano tinha ares e luzes de boas-vindas, de paz, de casa. Quando o dia já não era claro nem a noite escura, vi aquelas cores... Vinham pela brisa, coloriam os pulmões, lilás de flores - quase como roupa lavada, lavanda -, pintava os narizes de azul, de anoitecer.

Gosto de uma certa teoria sobre as cores, "que você conseguiria descobrir de que cor era tal coisa apenas de tocar nela. Por exemplo, se estivesse sentado em um gramado, mesmo de olhos fechados, saberia dizer de que tom de verde era a grama, dependendo de quanto estivesse macia ou áspera." 
Particularmente, prefiro as coisas sentidas.
Particularmente, prefiro a cor do vento.

(Citação de "O Estranho Mundo de Zofia e Outras Histórias" de Kelly Link)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Ter Asas

Fotografia: Sillas Henrique


Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer: E daí?... Eu adoro voar!"
(Clarice Lispector)

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Para Quem Diz Que Branco Não é Cor

(Ou Gênese)

Me deparo mais uma vez com a página branca. E como eu amo essa cor! Branco é a cor das possibilidades...
Porque o impossível mora em imaginações limitadas.
O que somos nós antes de nós mesmos? Nada além de branco esperando a mão do Artista.
O universo se desenha, rabisca, e escreve através do branco. "Tudo no mundo começou com um sim". Tudo no mundo começou com uma página em branco...


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Pássaro de Circo

Já sonhei ser dezenas de coisas. Artista plástica, cantora, estilista, bailarina, atriz, escritora, pianista, dentre outras. Hoje - confesso! - meu maior sonho é ir pra universidade estudar artes.
Também tiveram aquelas que hoje são inconcebíveis: Médica, professora, astronauta...
Mas acho que a ideia mais absurda e fantástica de todas foi a de ser trapezista de circo. Não que agora eu pense com muita sensatez, é que eu tinha uns cinco anos pelo menos. Eu e meu primo imaginávamos o dia em que fugiríamos com o circo, pular em um trem em movimento, sendo que nem haviam trens.
Ainda lembro daquele encantamento, a lona grande parecendo ser tão leve quanto um lençol, as maçãs-do-amor, meu medo de palhaços e os bichos - eu amava! É claro que nada superava a nuca encurtada tentando levar os olhos o mais alto possível e lá encima dois ou três pássaros sem penas: Trapezistas!
As vezes até esqueço isso tudo - não há mais circos mambembes, os animais são proibidos, as crianças não esperam sua chegada à cidade e eu não posso mais fugir.

Essas lembranças me tomaram de súbito enquanto li "Água Para Elefantes" de Sara Gruen, é um livro que conta sobre um estudante de veterinária que abandona a universidade na época dos exames finais e pula em um trem em movimento - o trem do circo dos Irmãos Benzini, O Maior Espetáculo da Terra - então ele passa a cuidar dos animais, tem uma paixão proibida, faz amizades incríveis, como a da elefanta Rosie, e tem que lidar com situações bem complicadas... (Em breve teremos um filme com lançamento previsto para esse mês.)
Uma forma de voltar ao universo mágico, e por vezes traiçoeiro do circo. De nos vermos  novamente sentindo o cheiro da pipoca, com os dedos melados de algodão-doce, sentados na platéia balançando os pés que não alcançam o chão, os olhos brilhando diante de uma cartola e um picadeiro. É dia de circo!


domingo, 17 de abril de 2011

In Memoriam



"Mulher formosa, que adorei na vida,
E que na tumba não cessei de amar,
Por que atraiçoas, desleal, mentida,
O amor eterno que te ouvi jurar?
(...)
Abandonado neste chão repousa
Há já três dias, e não vens aqui...
Ai, quão pesada me tem sido a lousa
Sobre este peito que bateu por ti!
(...)
- "Ó nunca, nunca!" de saudade infinita,
Responde um eco suspirando além...
- "Ó nunca, nunca!" repetiu ainda
Formosa virgem que em seus braços tem.

Cobrem-lhe as formas divinais, airosas.
Longas roupagens de nevado cor;
Singela c'roa de virgíneas rosas
Lhe cerca a fronte dum mortal palor.

"Não, não perdeste meu amor jurado:
Vês este peito? reina a morte aqui...
É já sem forças, ai de mim, gelado,
Mas ainda pulsa com amor por ti.
(...)
Saudosa ao longe vês no céu a lua?"
- "Ó vejo sim... recordação fatal"
- Foi à luz dela que jurei ser tua
Durante a vida, e na mansão final.
(...)
Quando risonho despontava o dia,
Já desse drama nada havia então,
Mais que uma tumba funeral vazia,
Quebrada a lousa por ignota mão.

Porém mais tarde, quando foi volvido
Das sepulturas o gelado pó,
Dois esqueletos, um ao outro unido,
Foram achados num sepulcro só.

(O Noivado Do Sepulcro - Soares de Passos)


Dedicado ao celebre tempo em que nossa comédia era sorriso gotejado de lágrimas e, nosso drama, tristeza suspirando alegria. Ao nosso teatro poesia, à nossa Trupe de palhaços pintados de alma, de sonho e paixões...

segunda-feira, 11 de abril de 2011

No Céu

As estrelas piscam para mim como se procurassem cúmplices, como se quisessem me contar segredos... Diminuir a distância!


Então apenas me digam, como tocar o céu?

sábado, 9 de abril de 2011

Dádiva

Fotografia: Gustavo Delvecchio
Alegria!
Porque não há nada como o pôr-do-sol no fim do dia...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A Busca Das Coisas Perdidas

Então vamos tentar de novo. Melhor assim mesmo, do começo. Buscar.
As páginas imaculadas são sempre as mais inspiradoras, pode parecer terrível, mas tornar impuro e sujar é melhor do que sempre ter sido um branco sem história para contar. Traços de letras, mesmo que apagados e por mais humanos que sejam, são sempre apaixonantes. É! acho que era essa a palavra exata que procurava: Apaixonante.
Que apaixona; que interessa fortemente, que cativa. A-pai-xo-nan-te.
Exatamente o que procuro, algo que me prenda e, mesmo que me deixe fugir, eu não queira. Dizem que o nome desse sentimento é liberdade. Então, quero ser livre! Quero gritar e que todo mundo ouça. Li-ber-da-de!
E quando eu estiver sozinha debruçada sobre minha janela que eu cochiche com as estrelas, e que apenas elas ouçam, seja lá qual for o lugar delas no universo, passar horas ali esperando sei-lá-o-que e não ter a mínima pressa de que um todo chegue. Porque as vezes o prazer se encontra nas expectativas, no desconhecido. Prazer...
E quando eu for conhecida de ti, espero ter um segredo diário, como uma história para mil e uma noites. Como quem desvenda o mistério do ser e do mundo. A falta de mistério gera morte... Mistério!
Que o descobrir das coisas me gere inspiração. Eu que as vezes penso que devo procurá-la em nuvens e pássaros, em folhas secas e nos roteiros de cinema alternativo. Eu que penso que deveria me apaixonar de novo, que inspiração só vem quando se tem um objeto o qual se possa chamar de apaixonante. Inspiração...
Mas inspiração é página em branco!
E buscar coisas perdidas é buscar o que se quer continuar sendo. Ser!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Sobre Pássaros e Nuvens

"Gosto de ler o que você escreve. Porque gosto de saber da sua vida.

Porque nosso tempo passou e já não faço mais parte do seu dia a dia.

Tem dias, quando sinto saudade ,eu entro nesse seu pequeno mundo chamado de ''Nuvens e pássaros'' esperando ler algo sobre você...

Seja uma música, uma frase, um desenho, uma foto... uma linha.

Algo sobre você...
As vezes me pergunto quem são aquelas pessoas que estão te magoando,as vezes me pergunto quem são aquelas pessoas que você está amando.
As vezes me pergunto...
Mas me contento com o que sei sobre você. Me contento em sentir o cheiro de um livro, me contento em ver as folhas no chão e saber o quanto você ama pisar nelas, me contento em olhar para o céu de azul perfeito que só existe nessa pequena cidade e saber o quanto você gosta dele, me contento em viajar ao seu lado sem dizer uma única palavra... assim como me contento em ter te dado um único beijo que valeu para minha vida inteira. Foi o melhor presente de aniversário que alguém poderia ter.

As vezes acho que minha vida se resume a pássaros e nuvens..."
(Fábio B.)

Acho que o que você vê é o que eu gostaria de ser.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Toujours Ensoleillé

The Seine at Argenteuil
Pierre-Auguste Renoir

É passado mais de ano, você mais uma vez povoa meus sonhos. Na tela branca do meu inconsciente, você é aquele cantinho de sombras, pouco nítidas - sem contorno - e coloridas. É sempre sol, sempre céu, sempre mar. É azul, é claro! Minha vida é como que cheia de luz - alegria- quando acordo e o primeiro sorriso do meu dia é seu. Tudo azul-claro!
Tem cheiro de sal, como pintura antiga, obra-prima minha,  de pinceladas manchadas de maresia. Do Impressionismo das lembranças quase esquecidas. Nos vejo assim, como sonho-arte. Em um diálogo sem vozes, o único som do meu mundo são as respirações, de culpa, perdões, amores e dias floridos. O que me consola são as cores, a paleta com tintas puras e sem respingos. Você, para mim, ainda é aquele tom especifico de céu aos domingos.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Once Again Fall

Fotofrafia: Sillas H.




"You're graceful, your grace falls,
down around me in my eyes.
You're lovely, your love leaves,
So easily in my eyes."



(In My Eyes - Rufio)

segunda-feira, 28 de março de 2011

You Are At The Top Of My Lungs



"If all our life is but a dream, fantastic posing greed.
Then we should feed our jewelry to the sea.
For diamonds do appear to be.
Just like broken glass to me.

Then she said she can't believe.
Genius only comes along in storms of fabled foreign tongues.
Tripping eyes, and flooded lungs.
Northern Downpour sends its love.

Hey moon, please forget to fall down.
Hey moon, don't you go down.
Sugarcane in the easy morning.
Weathervanes my one and lonely.

The ink is running toward the page, it's chasing off the days. 
Look back at boat feet and that winding knee.
I missed your skin when you were east.
You clicked your heels and wished for me.

Through playful lips made of yarn that fragiled Capricorn
Unraveled words like moths upon old scarves.
I know the world's a broken bone, but melt your headaches call it home.
(...)
You are at the top of my lungs.
Drawn to the ones who never yawn."

(Northern Downpour - Panic! At The Disco)

Obs.: Ilustração para homenagear minha música preferida, há um bom tempo estava trabalhando nela e finalmente ficou pronta. Gostei! Espero que gostem também.

sábado, 26 de março de 2011

Mais Perto Das Estrelas

"- ... aquelas são as Três Marias, é a constelação de Órion e aquela lá no fundo é Sirus, a estrela ma... Ah Eugênio, se você ficar olhando pra mim enquanto eu explico, você não vai decorar nunca!
- É porque eu gosto de ver você explicando.
- Tá. Eu vou explicar pela última vez.
- Tá. E eu não vou decorar pra você ter que explicar de novo, tá bom?
- Tá! E eu também não vou explicar mais.
- Ai Frida! É brincadeira, já decorei tudo. Quer ver?
- Duvido!
- Olha, aquelas são as Três Marias, é a constelação de Órion e aquela lá no fundo é Sirus, a estrela mais bonita e brilhante do céu... E quando você crescer você quer ser aeromoça, pra ficar mais perto das estrelas. Acertei?"
(Eu e Meu Guarda-chuva)

Para inaugurar uma nova fase da minha vida, em breve estarei mais perto das estrelas!

sábado, 19 de março de 2011

Eternidade

Fotografia: Luiz Fernando
Ninguém fica para sempre.
Então, o que realmente importa é por quanto tempo se quer ficar para sempre.
Eterno não é estado, é desejo.

segunda-feira, 14 de março de 2011

domingo, 13 de março de 2011

Em Algumas Noites de Sábado

Aqueles são todos os goles que eu não bebo, todos os cigarros que eu não trago, todos os assuntos banais dos quais eu falo. Sobre músicas chatas, infâncias recordadas e planos. Apenas planos! E lá no fundo é tudo nostalgia do mesmo tanto...

O amanhã é ser só criança de novo, ser farra de novo, 
ser o que eu quiser, o tudo e mais um pouco,
ser domingo-novo.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Rotina

"... procurou-a unicamente nos trajetos de seu itinerário cotidiano, sem saber que a busca das coisas perdidas fica prejudicada pelos hábitos rotineiros, e é por isso que dá tanto trabalho encontrá-las."


(Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez)