domingo, 17 de abril de 2011

In Memoriam



"Mulher formosa, que adorei na vida,
E que na tumba não cessei de amar,
Por que atraiçoas, desleal, mentida,
O amor eterno que te ouvi jurar?
(...)
Abandonado neste chão repousa
Há já três dias, e não vens aqui...
Ai, quão pesada me tem sido a lousa
Sobre este peito que bateu por ti!
(...)
- "Ó nunca, nunca!" de saudade infinita,
Responde um eco suspirando além...
- "Ó nunca, nunca!" repetiu ainda
Formosa virgem que em seus braços tem.

Cobrem-lhe as formas divinais, airosas.
Longas roupagens de nevado cor;
Singela c'roa de virgíneas rosas
Lhe cerca a fronte dum mortal palor.

"Não, não perdeste meu amor jurado:
Vês este peito? reina a morte aqui...
É já sem forças, ai de mim, gelado,
Mas ainda pulsa com amor por ti.
(...)
Saudosa ao longe vês no céu a lua?"
- "Ó vejo sim... recordação fatal"
- Foi à luz dela que jurei ser tua
Durante a vida, e na mansão final.
(...)
Quando risonho despontava o dia,
Já desse drama nada havia então,
Mais que uma tumba funeral vazia,
Quebrada a lousa por ignota mão.

Porém mais tarde, quando foi volvido
Das sepulturas o gelado pó,
Dois esqueletos, um ao outro unido,
Foram achados num sepulcro só.

(O Noivado Do Sepulcro - Soares de Passos)


Dedicado ao celebre tempo em que nossa comédia era sorriso gotejado de lágrimas e, nosso drama, tristeza suspirando alegria. Ao nosso teatro poesia, à nossa Trupe de palhaços pintados de alma, de sonho e paixões...

2 comentários:

  1. Olá... Tem selo pra vc no meu blog... passa lá, pega ele e vê as regras!
    Até mais!!!

    http://dedeaninha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. [aaa] rebecca saudades sempre,adorava ver você e os meninos recitando esse poema *-*

    bia (:

    ResponderExcluir